Idioma
 

Useful Information

FAQ’S OTC’S

1 - What are vitamins?

“Vita” means “life” in Latin and “amine” corresponds to “organic nitrogen compounds”.
Vitamins are organic compounds provided by food or supplements, required for the proper metabolic functioning and which are not produced by the body – exogenous intake.
Vitamin deficiency may have several causes: inappropriate diet, increased needs such as pregnancy, exercise, stress or impaired absorption.
Vitamins can be of two types: liposoluble (A, D, E, K) – require lipids for its absorption or water soluble, which are rapidly metabolised by the body and the excess is eliminated by urine.

2 - What is the Recommended Daily Allowance (DRA)?

It is the mean daily dose that corresponds to nutrient requirements of nearly all healthy individuals, in a specific age and gender. It also aims to prevent chronic diseases such as osteoporosis and heart diseases, where applicable. The DRAs may vary widely between countries, due to changes in eating habits, climate and other locally important factors.

3 - What is Propolis?

Resinous substance produced by bees and used as in hive sealant.
Due to its antimicrobial properties helps keeping the hive free of germs.
Antioxidant, anti-inflammatory, antibiotic and immunostimulating action.
In vitro studies demonstrated efficacy against influenza virus, herpes simplex virus, oral bacteria and some intestinal parasites.

4 - What is homocysteine?

Emerging in our body as a metabolism product of methionine, homocysteine is a natural amino acid, of ephemeral existence, which is converted into another amino acid called cystathione. If this route is properly followed, there is no harm to our health. However, for his process to occur, natural co-factors that regulate these reactions are required: vitamins B6 and B12 and folic acid.
Due to a malnutrition – especially in elderly -, soil degradation, excessive industrialisation of food and low concentration of these elements in the diet, an uncountable number of people has deficiency of these substances.
Within these deficiencies, our body starts to accumulate homocysteine, which is today considered as one of the inducers of cholesterol oxidation, increasing the risk of cardiovascular disease.

5 - What is the coenzyme Q10?

Also called ubiquinone, from the Latin ubique which means omnipresent. It is called this because it is present in almost every cell of the body. It is located in mitochondria, participating in the production process of ATP (energy).
Coenzyme Q10 has an -oxidant action, protecting the cholesterol from oxidation, thus decreasing its deposition on the blood vessels level.
As cholesterol, coenzyme Q10 is produced in the liver where the 2 substances share the same biochemical sequence. “Statins”, medicinal products that lower cholesterol, inhibit the production of cholesterol but also of coenzyme Q10, with cardiovascular consequences.

6 - What are probiotics?

Probiotic = “pro-life” = “in favour of life”
Live microorganism (bacteria or yeast) that when ingested in adequate amounts has a functional and beneficial effect on the body.
To be defined as probiotics they have to:
– reach the site of action in the bowel in sufficient amount
– be able to survive stomach acidity
– be resistant to bile acid in the bowel

7 - What are the benefits of probiotics?

– Promote the recolonization of the intestinal flora.
– Increase the natural resistance to gastrointestinal tract infectious diseases (traveller’s diarrhoea, associated to antibiotics…).
– Beneficial effects in inflammatory bowel diseases and other gastrointestinal diseases (Crohn’s disease, ulcerative colitis, gastritis…).
– Increase lactose tolerance.
– Produce substances that inhibit the growth of pathogenic bacteria.
– Inhibit the adherence of pathogenic bacteria to the bowel.
– Favour the immune system.

FAQ’S GENERICS

1 - What is a generic medicinal product?

In the definition of Statute of the Medicinal Product, Decree-Law no. 176/2006 of 30th August, a generic medicinal product is a “medicinal product with the same qualitative and quantitative composition in active substances, the same pharmaceutical form and whose bioequivalence with the reference medicinal product has been demonstrated by appropriate bioavailability studies”. The generic medicinal product is identified through the active substance which composes it, the strength and pharmaceutical form, followed by the name of the marketing authorisation holder (MA) and has in the package the letters “MG” (Generic Medicinal product).

2 - How to recognise a generic medicinal product?

Generic medicinal products are identified by the International Non-propriety Name (INN) of the active substances, followed by name of the MA holder, strength, pharmaceutical form and the letters MG, in the outer package of the medicinal product. INN is defined as the adopted or proposed name by the World Health Organisation for medicinal products active substances, in accordance with the established rules, which may not be subject of a registered trademark or name, as a list published periodically by this organisation. In the absence of the active substances INN, the medicinal product is identified by the generic name (name for which the active substance of a medicinal product is known, that does not correspond to an approved or recommended INN and it is not subject of a trademark or name).

3 - How are generic medicinal product prescribed?

Generic medicinal product are prescribed by the INN of active substances, followed by the strength and pharmaceutical form, the doctor may add the respective MA holder name.

4 - What are the advantages of generic medicinal products?

Generic medicinal products are medicinal products whose active substances are on the market for several years and that, therefore, have greater assurance of effectiveness and allow a better knowledge of the respective safety profile.
They present the same quality of the reference medicinal products, translated in the bioequivalence demonstration, through the bioavailability studies.
These are 35% cheaper than the reference medicinal products, with the same pharmaceutical form and strength (Ordinance no. 577/2001, 7th June), which becomes an economic advantage for users, because these medicinal products are substantially cheaper than the reference medicinal product, and for the NHS because it allows a better management of the available resources. This economical advantage of generic medicinal products is enhanced, in the case of the NHS users by the reference price system. The reference price system is based on a principle of a fixed value of reimbursement by the NHS, being part of the price that exceeds this fixed value paid by the user. Consequently, as innovative medicinal products have a higher price, and being the value of reimbursement fixed, there is a greater absolute responsibility for the users when they acquire a brand medicinal product than when they acquire, alternatively, a generic medicinal product.
Due to the lower cost, they have a crucial role in the accessibility to the medicinal product, therapeutic adherence and sustainability of the national health system.

5 - Quality, safety and efficacy

The technical and scientific assessment is the basis for granting the MA (Marketing Authorisation Holder) of medicinal products of any kind, either “innovative” medicinal products, i.e., based on new active substances, or generic medicinal products. The assessment system/science based regulation that is generalised throughout the European Union ensures that all the medicinal products that are marketed comply with the same requirements of quality, efficacy and safety and that the assessment of generic medicinal products, as all others, is based on solid scientific principles. Besides the documentation related to the development, production and control, that ensures its quality, the bioavailability studies are crucial for the assessment of a generic medicinal product.

6 - When can a generic medicinal product be released?

The patent of a medicinal product grants its owner an exclusivity period for marketing and exploitation of its product. This period is currently 20 years and may be extended for another 5 years, through a supplementary protection certificate. After this period the generic medicinal product can be released.

7 - What are “Copy” medicinal products?

In Portugal, only after 1995, with Decree-Law No. 16/95, of 24th January, which approved the Code of Industrial Property, was it possible to protect chemical and pharmaceutical products as such. In other words, until that date the active substances or compositions (associations) of active substances which were the basis of medicinal products were not patentable in Portugal. On the contrary, only the manufacturing processes were susceptible of such protection. It was the famous distinction, so current, between “process patent” versus “product patent”. With this legal regime, it was enough to find an alternative manufacturing process or method of the active substance to be able to produce a medicinal product with the same active substance, even if very recent. In order to allow the medicinal product to be marketed by the Health Authorities, it was required to provide bibliographic data about the active substance (efficacy and safety) and the description of the manufacturing method (of the active substance and medicinal product). The medicinal products that appeared on the market by this route are commonly called “copies”, not being required to demonstrate the bioequivalence with the reference medicinal product. In 2003, legislation which sets the rules for the conversion of “copy” medicinal products to generic medicinal products through the demonstration of bioequivalence with the reference medicinal product was published. Therefore, the “copy” medicinal products that are still available on the market are MA holders before 2003.

8 - What can delay the entrance of a generic medicinal product on the market?

One of the barriers to launch generic medicinal products relates to the patents issue. The so-called “evergreening” is the registration of new patents about an active substance that is already on the market and that faces the end of its protection and its purpose is to extend the protection period of the patent. The changes performed are presented as innovative, but in reality, may not be more than simply a new formulation. The restriction of the placement of the generic medicinal product into the market, immediately after expiration of the patent, translates into high costs for users and health systems.

GLOSSARY

ABSORÇÃO

Fase farmacocinética em que decorre a progressão da substância do local onde foi administrada até à circulação sanguínea.

AFP

Associação das Farmácias de Portugal.

AIM: AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Esta autorização (a que corresponde um número inscrito nas embalagens dos medicamentos) é concedida pelo INFARMED, após análise e aprovação do dossier de registo de cada medicamento.

AMBULATÓRIO

Terapêutica que não exige internamento; consultas abertas ao exterior.

ANAMNESE

Momento da consulta médica em que o médico ouve o paciente e regista os sintomas.

ANF

Associação Nacional de Farmácias.

APIFARMA

Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica.

APOGEN

Associação Portuguesa do Medicamento Genérico.

BIODISPONIBILIDADE
Refere-se à velocidade e à quantidade com que uma substância activa (parte da molécula que produz o efeito terapêutico), é absorvida pelo organismo, a partir de uma determinada forma terapêutica (comprimidos, cápsulas, injectáveis, supositórios, etc.).
BIOEQUIVALÊNCIA
Considera-se que dois medicamentos são bioequivalentes quando contêm a mesma quantidade do mesmo principio activo e a mesma dosagem, produzindo igual efeito biológico e sem modificação significativa do seu efeito terapêutico.
BOAS PRÁTICAS DE FABRICO
É um conjunto de boas normas de produção que são aplicadas às indústrias que ficam sujeitas a inspecções e auditorias regulares.

CERTIFICADO COMPLEMENTAR DE PROTECÇÃO PARA MEDICAMENTOS (SPC)
Período que medeia entre a data do pedido da patente do medicamento e a data de autorização administrativa de introdução no mercado (AIM) do mesmo medicamento tem vindo a tornar-se cada vez maior. Isto reduz o tempo de protecção efectiva do medicamento e, alega-se, a possibilidade de amortizar investimentos. Soluções: ou se amplia a duração das patentes de medicamentos ou se cria um título autónomo que prolongue o tempo de exploração em exclusivo, do medicamento (certificado complementar). Assim, o certificado complementar de Protecção de Medicamentos (SPC) pode definir-se como um título nacional que protege por um período complementar o próprio medicamento colocado no mercado ao abrigo de uma patente que entretanto caducou. Este certificado é válido a partir da data do termo da patente e por um período equivalente ao tempo decorrido entre a data do pedido de patente e a data de AIM do medicamento, menos 5 anos, não podendo por sua vez ter um período de validade superior a 5 anos. O Certificado é pedido ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial no prazo de 6 meses a contar da AIM.
CONTROLO DE QUALIDADE
Processo de organização, documentação e procedimento de controlo que certificam que todos os materiais utilizados no fabrico de um medicamento têm qualidade satisfatória. Os medicamentos só podem seguir para distribuição e venda depois do controlo de qualidade.

DADOS DE SEGURANÇA PRÉ-CLÍNICOS
Resultados de testes feitos previamente em animais ou “in vitro”, que garantem um nível de segurança mínimo antes da utilização do medicamento em seres humanos.
DENOMINAÇÃO COMUM INTERNACIONAL (DCI)
Designação adoptada ou proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para substâncias activas de medicamentos, de acordo com as regras definidas, que não pode ser objecto de registo de marca ou de nome, conforme lista publicada.
DISTRIBUIÇÃO
Momento em que o princípio activo circula no organismo até chegar ao local de acção.

EFEITO PLACEBO
Sintoma ou mudança de condição quando se toma uma substância sem função ou um procedimento que não acarreta mudanças no organismo directamente (placebo).
EFEITOS INDESEJÁVEIS
Problemas de saúde causados pela utilização do medicamento.
EFEITOS SOBRE A CAPACIDADE DE CONDUÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS
Interferência do efeito de um medicamento com a condução de veículos e a utilização de máquinas.
EFPIA
European Federation of the Pharmaceutical Industries and Associations (Federação Europeia das Indústrias Farmacêuticas e suas Associações).
EGA
European Generic Manufacturers´ Association (Associação Europeia dos Produtores de Medicamentos Genéricos).
EMEA
European Medicines Evaluation Agency (Agência Europeia de Avaliação dos Medicamentos). Agência responsável pelo gestão dos recursos científicos dos Estados Membros, de forma a avaliar o controlo dos medicamentos de uso humano e veterinário.
ENSAIO CLÍNICO
Estudo sistemático do medicamento, aplicado ao ser humano (pacientes ou voluntários saudáveis), para determinar a sua segurança e eficácia. O ensaio clínico pode ser usado para satisfazer diferentes objectivos: testar os efeitos de um princípio activo, observar os seus efeitos indesejáveis, ou estudar a sua absorção, distribuição e excreção.
EQUIVALENTES FARMACÊUTICOS
Medicamentos com a mesma quantidade do mesmo princípio activo, na mesma forma farmacêutica, e que obedecem às mesmas especificações.
EQUIVALENTES TERAPÊUTICOS
Medicamentos com o mesmo princípio activo ou entidade terapêutica, e com a mesma segurança e eficácia do medicamento original.
ESPECIALIDADE FARMACÊUTICA
Medicamento introduzido no mercado com preparação e nome próprios.
EXCREÇÃO
Etapa farmacocinética em que o organismo elimina a porção do princípio activo não utilizado.

FARMACOCINÉTICA
Destino da substância no organismo, o qual abrange a sua absorção, distribuição, metabolização e excreção.
FARMACODINÂMICA
Alterações causadas pela substância nas funções dos sistemas fisiológicos, quer estas sejam normais, quer experimentalmente modificadas.
FARMACOVIGILÂNCIA
Recolha meticulosa de informação de reacções adversas no ser humano, resultantes da utilização de medicamentos e posterior avaliação científica dessa informação.
FOLHETO INFORMATIVO
Documento obrigatório que surge dentro da embalagem do medicamento, com informação útil ao paciente. Contém as mesmas informações do resumo das características do medicamento, mas com uma linguagem mais acessível ao utente. Toda a informação apresentada no folheto informativo tem a aprovação prévia do Infarmed.
FORMA FARMACÊUTICA
Fórmula final dos princípios activos, após serem submetidos às operações farmacêuticas necessárias para facilitar a sua administração e provocar o efeito terapêutico pretendido.

GARANTIA DE QUALIDADE
Certificação de que os medicamentos têm a qualidade exigida para a sua finalidade.
GRUPO HOMOGÉNEO (GH)
Conjunto de medicamentos com a mesma composição qualitativa e quantitativa em substâncias activas, forma farmacêutica, dosagem e via de administração, no qual se inclua, pelo menos, um medicamento genérico existente no mercado.

HEMODINÂMICA
Relacionado com o fluxo de sangue no corpo.

INCOMPATIBILIDADES
Lista de substâncias que podem interferir com o medicamento, se forem administradas antes ou logo após este ser introduzido no organismo.
INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
Informação sobre as situações em que pode e deve ser utilizado determinado medicamento e quais os benefícios da sua utilização.
INFARMED
Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento. Instituto do Ministério da Saúde que faz a avaliação, controlo e regulamentação de todas as acções relacionadas com medicamentos de uso humano e veterinário.
INJECTÁVEL PERF.
Injectável perfusão.
INTERACÇÕES MEDICAMENTOSAS E OUTRAS
Efeitos da toma de vários medicamentos diferentes ao mesmo tempo, ou reacção provocada pela toma de um medicamento e pela ingestão de certos alimentos.

LICENÇA
Cedência temporária dos direitos da patente. A licença pode ser total ou parcial, em parte ou em todo o território nacional, por tempo total ou inferior à sua duração.
LIQ. ORAL
Líquido oral.
LISTA DE EXCIPIENTES
Substâncias que compõem o medicamento, para além do princípio activo. Devem estar enumerados no folheto informativo e no rótulo.

MG
Micrograma.
MATÉRIA-PRIMA
toda a substância, activa ou não, que se emprega na produção de um medicamento, quer permaneça inalterável quer se modifique ou desapareça no decurso do processo de fabrico.
MEDICAMENTO
toda a substância ou composição que possua propriedades curativas ou preventivas das doenças e dos seus sintomas, do homem ou do animal, com vista a estabelecer um diagnóstico médico ou a restaurar, corrigir ou modificar as suas funções.
MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA
Medicamento cujo princípio activo foi autorizado e comercializado pela primeira vez no mercado. Tem por base documentação completa, com resultados de ensaios químicos, biológicos, farmacêuticos, farmacológicos, toxicológicos e clínicos.
MEDICAMENTO ESSENCIALMENTE SIMILAR
Medicamentos com a mesma composição qualitativa e quantitativa em substâncias activas, sob a mesma forma farmacêutica e para o qual, sempre que necessário, foi demonstrada bioequivalência com o medicamento de referência, com base em estudos de biodisponibilidade apropriados.
MEDICAMENTO GENÉRICO (MG)
De acordo com o Decreto-Lei n.º 242/2000, de 26 de Setembro, o medicamento genérico tem de reunir as seguintes condições: a) ser essencialmente similar de um medicamento de referência; b) tenham caducado os direitos de propriedade industrial relativos às respectivas substâncias activas ou processo de fabrico; c) não invoquem a seu favor indicações terapêuticas diferentes relativamente ao medicamento de referência.
MEDICAMENTO ORIGINAL/ORIGINADOR/OU DE REFERÊNCIA
É um medicamento que foi desenvolvido por um Laboratório para ser utilizado no tratamento de uma doença. A investigação e o desenvolvimento da molécula apropriada, levada a cabo por um laboratório, depois de aprovada e registada, passa a ser comercializada pelo mesmo laboratório ao abrigo de uma patente. Durante o período de vigência de protecção dessa patente, o laboratório detém o monopólio da sua comercialização.
MEDICAMENTO “DE MARCA”
Medicamento identificado por um nome de fantasia.
METABOLIZAÇÃO
É a fase farmacocinética durante a qual o organismo promove reacções químicas ou biológicas com a substância activa, por forma a activá-la, inactivá-la ou reduzir a sua toxicidade.
MG
Miligrama
ML
Mililitro

NOME GENÉRICO
Designação pela qual a substância activa de um medicamento é conhecida, que não corresponde a uma DCI aprovada ou reconhecida, e que não é objecto de registo de marca ou de nome.

PATENTE (DE UM MEDICAMENTO)
Documento que concede ao autor os direitos exclusivos de explorar o medicamento criado por um determinado período de tempo. A patente impede outros de fabricar, utilizar ou vender o medicamento sem a permissão do autor no território onde a patente foi emitida.
POSOLOGIA E MODO DE ADMINISTRAÇÃO
Determina em que quantidade e com que frequência o medicamento deve ser administrado e como este deve ser introduzido no organismo.
PR
Preço de Referência.
PRAZO DE VALIDADE
Período durante o qual está assegurada a capacidade do medicamento exercer plenamente a sua função.
PREÇO DE REFERÊNCIA
Valor sobre o qual incide a comparticipação do Estado no preço dos medicamentos incluídos em cada um dos grupos homogéneos, de acordo com o escalão ou regime de comparticipação que lhes é aplicável.
PREÇO DE VENDA AO PÚBLICO
Preço autorizado pelo Estado para a venda ao público; é aplicado a todos os medicamentos e concedido pela Direcção Geral do Comércio e da Concorrência (DGCC).
PVP
Preço de venda ao público

RE
Encargo para o utente do regime especial (pensionistas com pensão não superior ao salário mínimo nacional).
REACÇÃO ADVERSA
Qualquer resposta prejudicial e não desejada a um medicamento que ocorre com doses habitualmente usadas para profilaxia, diagnóstico ou tratamento ou para modificação de funções fisiológicas e em que existe uma suspeita de nexo de causalidade entre a ocorrência adversa e a utilização do medicamento.
RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO (RCM)
Documento que veicula a informação imprescindível para o perfeito conhecimento dos benefícios e dos riscos associados à utilização do medicamento e que, por ser redigido utilizando termos eminentemente técnicos, se destina a ser utilizado por profissionais de Saúde. A informação aí veiculada é controlada pelas autoridades de Saúde e não pode ser modificada sem o seu consentimento prévio.
RG
Encargo do utente do regime geral.

SOBREDOSAGEM
Problemas de saúde que podem surgir no caso de se utilizar uma quantidade excessiva do medicamento e como é que estes problemas podem ser controlados.
SUBSTÂNCIA ACTIVA
Toda a matéria de origem humana, animal, vegetal ou química, à qual se atribui uma actividade apropriada para constituir um medicamento.

TX. COMP.
Taxa de Comparticipação.

UTILIZAÇÃO EM CASO DE GRAVIDEZ E LACTAÇÃO
Enumeração dos riscos que correm as mulheres grávidas ou os fetos se o medicamento for tomado durante a gravidez e que riscos correm os bebés se as mães tomarem o medicamento durante o período de amamentação.

EXTERNAL LINKS

LABESFAL FARMA'S PRODUCT DISTRIBUTOR
OFFICIAL NATIONAL ENTITIES

Apifarma
https://www.apifarma.pt/

APOGEN
https://www.apogen.pt/

DGAE – Direcção-Geral das Actividades Económicas
https://www.dgae.min-economia.pt/

INFARMED – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I. P.
https://www.infarmed.pt/

LEF
https://www.lef.pt/

Ministério da Saúde
https://www.min-saude.pt/

Ministério da Economia
https://www.min-economia.pt/

Ordem dos Enfermeiros
https://www.ordemenfermeiros.pt/

Ordem dos Farmacêuticos
https://www.ordemfarmaceuticos.pt/

Ordem dos Médicos
https://www.ordemdosmedicos.pt/

OFFICIAL INTERNATIONAL ENTITIES

ADA – Amercican Dietetic Association
https://www.eatright.org

AMA – American Medical Association
https://www.ama-assn.org/

ASPEN – American Society of Parenteral and Clinical Nutrition
https://www.nutritioncare.org

EFPIA – European Federation of Pharmaceutical Industries Associations
https://www.efpia.org

EGA – European Generic Medicines Association
https://www.egagenerics.com/

EMEA – The European Agency for the Evaluation of Medicinal Products
https://www.emea.europa.eu/

ESPEN – European Society for Clinical Nutrition
https://www.espen.org

European Patent Office
https://www.epo.org/

European Patent Office
https://www.european-patent-office.org/

ESRA – European Society of Regulatory Affairs
https://www.esra.org/

FDA – Food and Drug Administration
https://www.fda.gov/

União Europeia – Direcção Geral da Empresa (Medicamentos e Cosméticos)
https://pharmacos.eudra.org

WHO – World Health Organization (Organização Mundial de Saúde)
https://www.who.int/

MEDICAL SOCIETIES

FPC – Fundação Portuguesa de Cardiologia
https://www.fpc.pt

Sociedade Portuguesa de Farmacologia
https://www.ff.up.pt

Sociedade Portuguesa de Imunologia
https://www.spimunologia.org

Sociedade Portuguesa de Reumatologia
https://www.spreumatologia.pt

SPAIC – Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica
https://www.spaic.pt

SPC – Sociedade Portuguesa de Cardiologia
https://www.spc.pt

SPDI – Sociedade Portuguesa de Doenças Infecciosas
https://www.spdi.org

SPED – Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva
https://www.sped.pt

SPG – Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia
https://www.spg.pt

SPP – Sociedade Portuguesa de Pneumologia
https://www.spp.pt

SPCNA – Sociedade Portuguesa de Ciências da Nutrição ou Alimentação
https://www.spcna.pt

SPD – Sociedade Portuguesa de Diabetologia
https://www.spd.pt

SPEDM – Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo
https://www.spedm.org/

PROFESSIONAL ASSOCIATIONS

APFH – Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares
https://www.apfh.pt

APMCG – Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral
https://www.apmcg.pt

APNEP – Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica
https://www.apnep.pt

Associação Nacional de Farmácias
https://www.anf.pt

Associação Portuguesa de Nutricionistas
https://www.apn.org.pt

Associação Portuguesa de Economia da Saúde
https://www.apes.pt

Associação Portuguesa de Dietistas
https://www.apdietistas.pt

FNAM – Federação Nacional dos Médicos
https://www.fnam.pt

PATIENT ASSOCIATIONS

ADEB – Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares
https://www.anea.org.pt/

ADEXO – Portal da Obesidade
https://www.adexo.pt/

A.N.E.A. – Associação Nacional da Espondilite Anquilosante
https://www.anea.org.pt/

ANDAI – Associação Nacional de Doentes com Artrites e outros Reumatismos da Infância
https://www.andai.org.pt/

ANDAR – Associação Nacional dos Doentes com Artrite Reumatóide
https://www.andar-reuma.pt/

APA – Associação Portuguesa de Asmáticos
https://www.apa.org.pt/

APDP – Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal
https://www.apdp.pt/

APFADA – Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de Doentes de Alzheimer / Alzheimer Portugal
https://www.alzheimerportugal.org/

Comunidade de Diabetes
https://www.comunidadediabetes.com.pt/

LPCDR – Liga Portuguesa contra as Doenças Reumáticas
https://www.lpcdr.org.pt/

LPCE – Liga Portuguesa Contra a Epilepsia
https://www.lpce.pt/